Curta o Paulistana no Facebook



Bispo fluminense pede a fiéis que se mantenham unidos ao Papa

Posted on
  • terça-feira, 24 de março de 2015
  • by
  • Redação
  • in
  • Marcadores:
  • Pedido de Dom Edney foi feito após ordenação ilegal sem autorização

    Para ele, foi rompido "vínculo eclesial" firmado por Cristo. Foto: Reprodução/TV Aparecida
    Da Redação

    O bispo diocesano de Nova Friburgo (RJ), Dom Edney Gouvêa Mattoso, pediu para que fiéis se mantivessem unidos ao Papa por meio de nota publicada nesta terça-feira (24) no site da diocese.

    O alerta foi feito após o bispo londrino Dom Richard Nelson Williamson ter feito ordenação episcopal sem a autorização do Vaticano, o que configura excomunhão automática, conforme o direito canônico.

    Richard ordenou bispo Jean-Michel Faure, 73, no Mosteiro da Santa Cruz, na cidade. O britânico já havia sido excomungado em 1988 por ter sido ordenado bispo sem a autorização da Santa Sé.

    A excomunhão foi revertida em 2009 pelo Papa Bento XVI, em uma tentativa de reaproximar a Igreja da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, da qual Richard era membro na época.

    A instituição é rompida com a Igreja desde o Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-65), que promulgou documentos que colocaram os católicos mais próximos aos pobres e que acabou com tradições como a missa em latim.

    Dom Richard deixou a fraternidade após parte dela se reconciliar com o Vaticano

    Para o bispo de Nova Friburgo, o ato foi "uma desobediência ao Papa em matéria gravíssima", pois foi rompido com a ordenação ilegítima "o vinculo eclesial com aquele a quem o próprio Cristo, na pessoa do Apóstolo Pedro, confiou o ministério da unidade na sua Igreja."

    Leia a íntegra da nota escrita por Dom Edney:

    "Ao Clero, religiosos e fiéis leigos da Diocese de Nova Friburgo

    Com grande tristeza tomei conhecimento da iminente celebração de ilegítima ordenação episcopal no Mosteiro da Santa Cruz, em nossa amada Diocese de Nova Friburgo. Afirma-se “ilegítima” porquanto será realizada sem o necessário mandato apostólico de Sua Santidade Papa Francisco.

    Sem dúvida, a gênese de tal ilegítima ordenação episcopal tem já muitos anos. Há que recordar os grandes esforços despendidos pelos Sumos Pontífices São João Paulo II e Bento XVI a fim de assegurar a plena comunhão com a Igreja de todos os seguidores do Arcebispo Marcel Lefebvre. Graças a Deus, muito se tem conseguido e os frutos são numerosos.

    No entanto, como se comprova, nem todos atenderam às súplicas e propostas generosas de diálogo e empenho pela comunhão plena.

    A ilegítima ordenação episcopal ora em causa será uma desobediência ao Papa em matéria gravíssima, num tema de importância capital para a unidade da Igreja, a ordenação dos Bispos, mediante a qual é mantida sacramentalmente a sucessão apostólica. Tal ato ilegítimo leva a uma rejeição prática do Primado do Romano Pontífice, constituindo mesmo um ato cismático, com pena de excomunhão automática prevista pelo Código de Direito Canônico, tanto quanto ao Bispo Ordenante Richard Williamson como a quem será ordenado Bispo. Ora, não se pode permanecer fiel rompendo o vinculo eclesial com aquele a quem o próprio Cristo, na pessoa do Apóstolo Pedro, confiou o ministério da unidade na sua Igreja.

    Como Bispo de Nova Friburgo, cabe-me exortar a todos os fiéis católicos para que cumpram o grave dever de permanecerem unidos ao Papa na unidade da Igreja Católica, e de não apoiarem de modo algum essa ilegítima ordenação episcopal e as conseqüências que dela advirão. Ninguém deve ignorar que a adesão formal ao cisma constitui grave ofensa a Deus e comporta excomunhão também prevista pelo Código de Direito Canônico. Portanto, os sacerdotes e fiéis são advertidos para não apoiar o cisma, caso contrário, incorrerão, ipso facto, na gravíssima pena de excomunhão.

    Penso poder garantir em nome de todo o Clero, religiosos e fiéis leigos ao Sucessor de Pedro Papa Francisco, o primeiro a quem compete a tutela da unidade da Igreja, a nossa filial união e obediência, em especial nesse doloroso momento. Para tanto, enviarei uma carta para Sua Santidade. De qualquer forma, tal ato ilegítimo e cismático oferece a todos a ocasião de uma profunda reflexão e um renovado empenho de fidelidade a Cristo e a Sua Igreja.

    Finalmente, supliquemos incessantemente a intercessão da Santíssima Virgem Maria, Mãe da Igreja, a fim de que possamos exigir-nos mais diante das palavras do próprio Cristo: Ut omnes unum sint!"