Para teólogo, discurso possui "um pouco de sistema" e no final "não diz nada"

Boff também criticou a jornalistas ódio contra os pobres no Brasil. Foto: Reprodução/EFE
Da redação

O teólogo Leonardo Boff afirmou a jornalistas na última segunda-feira (17) que a Igreja tem um discurso "equilibrista". O Papa Francisco, entretanto, agiria corretamente ao se colocar ao lado dos pobres. As informações são da agência EFE.

"O discurso oficial da Igreja é sempre equilibrista: um pouco do sistema (capitalista), um pouco da esquerda e no final não diz nada", criticou o teólogo. "Mas esse papa é explícito, ele está do lado correto, do lado dos pobres."

A declaração foi dada por ele em Montevidéu, capital do Uruguai, antes de participar de conferência sobre ecologia na prefeitura da cidade.

Boff ainda comentou a situação política no Brasil e afirmou que as manifestações mostram uma "raiva generalizada" contra o partido do governo. "Mas não é ódio contra o PT, é ódio contra os 40 milhões de pobres que foram incluídos em espaços, que antes eram reservados às classes poderosas", afirmou.

Mujica

O teólogo encontrou o recente ex-presidente do Uruguai José Mujica e fez elogios ao político. "Encontrei um homem de grande profundidade, que não pensa apenas no destino do Uruguai e da América Latina, mas no futuro da humanidade".

Boff, que afastou-se do sacerdócio nos anos 80 após publicar livro com críticas a Igreja, foi ainda declarado cidadão ilustra da cidade de Montevidéu.

O livro "Igreja: Carisma e Poder" fez críticas como o excesso de poder do clero e a maior preocupação com os pecados da doutrina do que com os morais.

O então membro da OFM (Ordem dos Frades Menores) acabou sendo condenado a um "silêncio obsequioso" pelo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (antiga Inquisição), Joseph Ratzinger, o futuro Papa Bento XVI.