Curta o Paulistana no Facebook



“Cristão deve deplorar toda forma de antissemitismo”, diz Papa

Posted on
  • segunda-feira, 20 de abril de 2015
  • by
  • Redação
  • in
  • Marcadores:
  • Para Francisco, cristãos e judeus têm dever conjunto; nazismo deve ser lembrado

    Da Redação

    O Papa Francisco afirmou nesta segunda-feira (20) que os cristãos deve se manifestar contra a perseguição aos judeus e dar apoio ao povo. As informações são da agência de notícias do Vaticano.

    "O cristão deve ser firme em deplorar toda forma de antissemitismo, manifestando ao povo judeu sua solidariedade. A memória do que aconteceu, no coração da Europa, serve como advertência para as gerações presentes e futuras", disse o pontífice em referência ao nazismo.

    A declaração foi dada em visita ao Vaticano de delegação da Conferência dos Rabinos Europeus.

    Francisco também falou sobre o pecado do homem tentar se colocar no lugar de Deus. "Judeus e cristãos têm o dom e a responsabilidade de contribuir para manter vivo o sentido religioso dos homens de hoje e de nossa sociedade", afirmou o Papa.

    Ainda foi lembrada, durante o encontro, a declaração de Nostra Aetate. O documento de 1965, do Concílio Vaticano II, aproximou a Igreja de outras religiões não cristãs e apoiou a valorização dos pontos comuns entre elas e o cristianismo. Também determinou que os judeus não podem ser hoje culpados pelo martírio de Jesus.

    O documento completará 50 anos em 28 de outubro.

    Budismo

    O presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, cardeal Jean-Louis Tauran, também enviou hoje mensagem a budistas por conta do feriado de Vesakh. A data comemora o nascimento, a iluminação e a morte de Gautama Buda.

    A mensagem “Budistas e cristãos: juntos no combate da escravidão moderna” apoiou, em nome do papa, o combate à escravidão de forma conjunta pelas duas religiões.

    "Como budistas e cristãos, solícitos em respeitar a vida humana, devemos colaborar juntos para que se coloque fim a essa chaga", afirmou Francisco.

    Leia também: Papa critica escravidão em “sistema global dominado pelo lucro”