Curta o Paulistana no Facebook



Processo de beatificação de Dom Hélder começará no dia 3 de maio

Posted on
  • quarta-feira, 8 de abril de 2015
  • by
  • Redação
  • in
  • Marcadores:
  • Missa apresentará comissão que analisará o caso e oração de intercessão

    Bispo ficou conhecido por defender os pobres na Ditadura Militar. Foto: Wikimedia Commons

    Da Redação

    O processo de beatificação do ex-arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara, terá início no dia 3 de maio. A informação foi nada nesta quarta-feira (8) pelo site da Arquidiocese.

    O atual arcebispo, Dom Fernando Saburido, recebeu carta na segunda-feira (6) do Vaticano que informava que Câmara havia recebido o título de "Servo de Deus". É o primeiro passo para alguém se tornar beato.

    Missa, no dia da abertura do processo e presidida por Saburino, irá apresentar a comissão jurídica responsável por analisar o caso e a oração de intercessão para Câmara.

    "Tenho um carinho enorme por Dom Hélder e desde que cheguei à arquidiocese há esse desejo do povo de Deus.", afirmou o arcebispo hoje em entrevista coletiva.

    Entenda

    A beatificação, que considera alguém um modelo para Igreja devido a ter "virtudes heroicas", é o primeiro passo para alguém se tornar santo. Para a santificação, em seguida, é necessário ter um milagre comprovado, a menos que o Papa o considere dispensável.

    Dom Hélder Câmara, morto em 1999 aos 90 anos, foi arcebispo de Recife e Olinda durante todos os anos da Ditadura Militar (1964-1985). Desembarcou na região durante o Golpe e completou a idade de aposentadoria (75) no último ano.

    Hélder ganhou destaque por enfrentar o regime e se colocar ao lado dos pobres. Ganhou prêmios internacionais como o Martin Luther King, nos EUA, em 1970, e escreveu 22 livros.

    O arcebispo também ficou famoso por frase dita em relação às acusações políticas contra quem se colocava ao lado dos mais vulneráveis. "Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto porque eles são pobres, chamam-me de comunista", dizia Dom Hélder.